Quem somos

30 de abr de 2009

No limits!!



"You can't put a limit on anything.
The more you dream,
the farther you get."

Michael Phelps

Homenagem ao super treino de natação do Cássio Sá... é o que eu sinto mais falta quando estou fora de Floripa, e o que mais gosto de fazer quando estou aqui.

Será desejo?


"Os sonhos não determinam o lugar onde vocês vão chegar, mas produzem a força necessária para vos tirar do lugar onde estão... os sonhos não são desejos... os desejos evaporam-se no calor das dificuldades, os sonhos resistem às altas temperaturas."

Augusto Cury

Lembro que minhas aulas eram 'famosas' pelos temas que eu abordava... um deles era: Cuidado, aquilo que te liberta é aquilo que te aprisiona!!
Renato Russo já disse: Disciplina é libertade.
Consigo ver ainda a cara dos alunos me olhando sério... quase me perguntando o que eu estava inventando dessa vez.
Desejo = prissão
Os desejos te satisfazem apenas por um instante, dão aquela sensação prazerosa de saciedade e logo passa, você esquece, digere e acabou.
Sonho = liberdade
Os sonhos não, você tem que lutar... demora dias, meses, anos... você sente adrenalina pouco antes dele se materializar... e tudo aquilo que vc vivenciou para alcança-lo fica na sua memória, como uma gostosa sensação de missão comprida, de que todos o esforços valeram a pena.
Não sei ao certo se isso é regra, mas de qualquer maneira o dilema maior é saber diferenciar os desejos dos sonhos... nem sempre é fácil... mas se fosse fácil também não seria tão interessante assim. San Francisco é sonho... o resto eu não sei!!

nothing left to lose


...
Freedom's just another word for nothin' left to lose
Nothin', I mean nothin' hon' if it ain't free
Yeah, feelin' good was easy Lord, when he sang the blues
Yeah, feelin' good was good enough for me
Good enough for me and my Bobby Mcgee
From the Kentucky coal mines
To the California sun
Yeah, Bobby shared the secrets of my soul
Through all kinds of weather
Through everything that we done
Bobby's body kept me from the cold
...
Yeah La da La la da da la da da la da daLa da da da da da da da da
Hey now, Bobby, now, now Bobby Mcgee, yeah
La la la la la la la laLa la la la la la la la la la la la la la la
Hey now Bobby now now Bobby Mcgee

Janis Joplin
Me & and Bobby McGee
Desde de pequena gostei de sentar para ouvir música... tipo, só para ouvir música mesmo. Abrir a capa do vinil/cd, ler as composições, refletir sobre a sequência das faixas, ficar imaginando os sentimentos e sensações dos interpretes e compositores... a arte do albúm, e enfim, contemplando o trabalho musical como um todo.
Ontem me proporcionei um momento incrível voltando da aula e curtindo Janis Joplin, especialmente esta canção, que repeti incansavelmente por 3 vezes. 'Aproveite mais seu tempo' e contemple, você não tem nada a perder.

29 de abr de 2009

A Alma Imoral

marza tozo

Há um olhar que sabe discernir o certo do errado e o errado do certo.
Há um olhar que enxerga quando a obediência significa desrespeito e a desobediência representa respeito.
Há um olhar que reconhece os curtos caminhos longos e os longos caminhos curtos.
Há um olhar que desnuda, que não hesita em afirmar que existem fidelidades perversas e traições de grande lealdade.
Este olhar é o da alma.

Esse é o prefácio do livro que estarei lendo a caminho de San Francisco. Foi indicado por uma amiga que conheci em San Francisco há uns 8 anos atrás e que reencontrei há pouco tempo aqui no Brasil e que também é apaixonada pela cidade. Bom, mais adiante eu conto o que aconteceu depois deste mix (alma imoral + san francisco + minha própria história)!!

28 de abr de 2009

Humildade, será que agente tem?


"Those who follow dharma flourish in the end;

those who follow ego fall"

oráculo de Rama

Desde que entrei no mundinho do Yoga ouço constantemente a palavra EGO. Livre-se dele e então será livre para sempre... sem muito entender o que realmente era uma atitude egóica, ações baseadas em reverências a cerca de si próprio, fui entrando no fluxo dos acontecimentos e acabei sentindo na pele onde o ego pode me levar.
De fato coisas aconteceram, e sem prestar muita atenção fui me afundando em um mundo que não era exatamente meu... pior que pecar pelo meu próprio orgulho foi mergulhar no ego de uma outra pessoa.
Hoje, olhando a situação de fora percebo que nada como a simplicidade, ou melhor, humildade. Querer mais do que já tem, viver algo que não é, não enxergar nada além dos seus olhos é uma verdadeira bobagem. Não vejo razão alguma de querer ser melhor do que ninguém.. melhor postura, melhor carro, o mais tradicional, lindo, gostoso e o mais e mais e mais... se torna tudo tão pequeno quando comparado com o valor das experiências simples e intensas que podemos nos proporcionar quando estamos livres do ego.
O que realmente importa além de amigos, companheirismo, uma comida simples e saborosa, caminhada na praia, um olhar, beijo e abraço... sair sem se preocupar com o que os outros vão pensar, ou melhor, sair sem representar. Reconhecer o seu potencial, agradecer e dar valor a ele... também perceber seus defeitos, tentar mudar e aprender com eles.
Sempre que analiso a minha vida, fica claro que todas as merdas que fiz foi dominada pelo meu ego prepotente e cheio de orgulho, incapaz de ouvir, aceitar e silenciar... Hoje tento incansavelmente distanciar o ego daquilo que eu realmente sou por essência, não e nada fácil... mas nem pensar em desistir!!!

Foto: Manju Jois e Andres Wormull na Praia Mole, um dos maiores exemplos de simplicidade que eu já conheci!! Obrigada por mostrar o caminho.

Alguém me descreveu!!


Já escondi um AMOR com medo de perdê-lo, já perdi um AMOR por escondê-lo... Já segurei nas mãos de alguém por medo, já tive tanto medo, ao ponto de nem sentir minhas mãos...
Já expulsei pessoas q amava de minha vida, já me arrependi por isso...
Já passei noites chorando até pegar no sono, já fui dormir tão feliz, ao ponto de nem conseguir fechar os olhos...
Já acreditei em amores perfeitos, já descobri q eles não existem...
Já amei pessoas q me decepcionaram, já decepcionei pessoas q amaram...
Já passei horas na frente do espelho tentando descobrir quem sou, já tive tanta certeza de mim, ao ponto de querer sumir...
Já menti e me arrependi depois, já falei a verdade e também me arrependi...
Já fingi não dar importância às pessoas q amava, para mais tarde chorar quieta em meu canto... Já sorri chorando lágrimas de tristeza, já chorei de tanto rir...
Já acreditei em pessoas q não valiam a pena, já deixei de acreditar nas q realmente valiam...
Já tive crises de riso quando não podia... Já quebrei pratos, copos e vasos, de raiva...
Já senti muita falta de alguém, mas nunca lhe disse...
Já gritei quando deveria calar, já calei quando deveria gritar...
Muitas vezes deixei de falar o q penso para agradar uns, outras vezes falei o q não pensava para magoar outros...
Já fingi ser o q não sou para agradar uns, já fingi ser o q não sou para desagradar outros...
Já contei piadas e mais piadas sem graça, apenas para ver um amigo feliz...
Já inventei histórias com final feliz para dar esperança a quem precisava...
Já sonhei demais, ao ponto de confundir com a realidade...
Já tive medo do escuro, hoje no escuro 'me acho, me agacho, fico ali'...
Já cai inúmeras vezes achando q não iria me reerguer, já me reergui inúmeras vezes achando q não cairia mais...
Já liguei para quem não queria apenas para não ligar para quem realmente queria...
Já chamei pessoas próximas de 'amigo' e descobri q não eram...
Algumas pessoas nunca precisei chamar de nada e sempre foram e serão especiais para mim...
Não me dêem fórmulas certas, porque eu não espero acertar sempre...
Não me mostre o q esperam de mim, porque vou seguir meu coração!
Não me façam ser o q não sou, não me convidem a ser igual, porque sinceramente sou diferente!
Não sei amar pela metade, não sei viver de mentiras, não sei voar com os pés no chão...
Sou sempre eu mesma, mas com certeza não serei a mesma pra SEMPRE!
Gosto dos venenos mais lentos, das bebidas mais amargas, das drogas mais poderosas, das idéias mais insanas, dos pensamentos mais complexos, dos sentimentos mais fortes...
Tenho um apetite voraz e os delírios mais loucos...

Clarice Lispector

P.S. Essas palavras estão em uma das primeiras postagens do blog... estou repetindo pq a cada dia que passa me identifico mais e mais. A segurança de errar e a insegurança de acertar... sentimentos se misturam, expectativas se dissolvem e você vai aprendendo a ser simplesmente aquilo que já é, sem regras, padrões ou manuais... aceitando a impermanência com o coração aberto e livre. Assumindo emoções, sentimentos e sensaçãos.

Minha oração!!


Tranqüila
Levo a vida tranqüila
Não tenho medo do mundo
Não vou me preocupar
Tranqüila
Levo a vida tranqüila
Não tenho medo da morte
Não vou me preocupar
Que passe por mim a doença
Que passe por mim a pobreza
Que passe por mim a maldade, a mentira e a falta de crença
Que passe por mim olho grande
Que passe por mim a má sorte
Que passe por mim a inveja, a discórdia e a ignorância
Tranqüila
Levo a vida tranqüila
Que me passe
A doença que me passe
A pobreza que me passe
A maldade que me passe
Olho grande que me passe
A má sorte que me passe
A inveja que me passe
A tristeza da guerra
Tranqüila
Levo a vida tranqüila
(Kassin)

27 de abr de 2009

Isso é um bom sinal!!

Momento de projeção da vontade

Marte na casa 1

Nestes próximos dias, que vão de 27/04 (hoje) às 20h31 e 03/06 às 16h17 (bem os dias em que estarei em San Fran), Marza, o planeta Marte estará passando pelo seu signo ascendente, marcando o seu setor da identidade. Este é um momento muito especial, que só acontece de dois em dois anos (portanto tenho q aproveitar!!). Uma vez que a primeira casa é a mais importante casa astrológica de um tema astral, consequentemente Marte será o mais importante planeta em sua vida por alguns dias. Ele lhe concede vitalidade alta e, por fim, você sentirá uma grande necessidade de vencer e de se tornar alguém de destaque em seu campo de atuação.

Neste período, é bastante provável que você venha a se sentir com muito mais energia, com uma disposição especial para batalhar pelos seus projetos pessoais. Lhe parecerá, Marza, que as coisas estão mais fáceis de serem resolvidas, mas a verdade é que você está num momento em que sua disposição pessoal para lutas está amplificada.

As pessoas poderão sentir em você uma agressividade maior, mas esta qualidade agressiva não é, por si só, boa ou ruim. Tudo depende da forma como você a vive.

A palavra "Marte" vem do latim, e significa "crescer, tornar-se grande". E esta é a idéia para este ciclo, Marza: é o momento de lutar por seu lugar ao Sol, o momento de fazer valer sua vontade afirmativa, nem que para isso você precise brigar um pouco mais.

É recomendável que você busque direcionar esta qualidade agressiva de uma maneira objetiva, caso contrário você pode simplesmente usá-la de maneira inadequada, explodindo em raivas ou cometendo atos impulsivos, precipitados. Em geral, recomendo a pessoas que, como você, passam pelo momento de energização marciana, que procurem praticar alguma atividade física (eu vou é praticar Ashtanga Yoga e subir e descer as ladeiras de San Fran) neste período, a fim de descarregar o excesso de energia. É um momento bom para o exercício do sexo (ops, mas meu namorado não estará comigo neste momento...ok nem tudo é perfeito), conveniente para aproveitar esta "disposição a mais". Ainda que você não tenha uma parceria sexual, a qualidade energética de Marte é positiva para caso você queira "caçar" pessoas de fora do seu círculo social (não seria o meu caso, mas posso ajudar minha companheira de blog). Afinal de contas, a energia conquistadora de Marte na Casa 1 não se limita apenas a propósitos materiais. Ela pode ser utilizada para propósitos amorosos, também!

Neste ciclo, você perceberá que estará conquistando as coisas com maior facilidade. Mas fique atento, Marza: este é um momento altamente individualista, e o preço a pagar é que isto pode perturbar um pouco as suas relações afetivas. Não é um momento em que você está com muita disposição para fazer concessões em nenhum de seus relacionamentos, e é possível que nesta fase algumas pessoas lhe acusem de egoísmo (já estão avisados). No final das contas, Marza, é tudo uma questão de proporção: se você souber aproveitar esta "energia a mais" de uma forma consciente e direcionada, canalizando sua agressividade para onde deve, com finalidades úteis e propósitos definidos, tende a ser um excelente período (que notícia boa!!). A idéia deste ciclo de Marte é a da aceleração da vontade pessoal.

SÍNTESE DO MOMENTO:
Cores recomendadas para o período:
vermelho e negro, as cores de Marte que estimularão mais ainda a sua vontade pessoal numa direção afirmativa. (já estão na mala)
Vida afetiva: este é um momento de muito individualismo, Marza!(acho q meu companheiro já notou isso, né?!) Favorece muito o sexo e as novas conquistas, mas cuidado com uma tendência de ficar vendo demais o próprio lado nesta fase.
Vida profissional: excelente momento para lutar por objetivos bem definidos e alcançar resultados concretos para seus esforços.
Saúde: cuidado com febres e com uma pequena tendência a acidentes por conta de atos impulsivos e apressados. (só espero não pegar a tal da gripe suína, hehe)
Vida espiritual: este é um dos momentos mais "pé no chão" do seu ano, Marza. Mas convém não perder o prumo da sua espiritualidade, lembre-se que é importante um tempo para meditar e refletir, caso contrário o mundo, com seus problemas e questões práticas, nos engole! (será que 10 dias de Vipassana e horas sentada em algum café de San Fran são suficientes??)

*Esse é o resumo do meu horóscopo para o período que eu recebo por email e que repete a mesma coisa muitas vezes...mas esse texto eu nunca havia recebido antes, e claro, preferi acreditar nessas palavras...

26 de abr de 2009

My mind...

...is out of order...
(sorry, I can´t wright anything else)

Living life in peace


“May all be well with manking. May leaders of the earth protect in every way by keeping to the right path. May there be goodness for those who know the earth to be sacred. May all the worlds be happy. May the rains fall on time, and may the earth yield its produce in abundance. May this country be free from disturbances, and may the righteous be free from fear.”
Tradução do Mantra Shanti Path por Manju Pattabhi Jois

“Imagine all the people living life in peace.”
Imagine todas as pessoas vivendo a vida em paz.
John Lennon

Pós prática fui estudar, na capa da apostila estava essa 'oração' e junto com ela eu havia escrito uma citação do Lennon. Com certeza vale reproduzir, uma mensagem de libertação e paz. Hope you enjoy it!!!

23 de abr de 2009

Fotinhos...

Todas as fotos do Evento Manju - Floripa estão no link abaixo. Estou a disposição para mandar as fotos em alta resolução para quem quiser.

www.flickr.com/photos/marzatozo

22 de abr de 2009

Evento Manju - Floripa









...só sei que foi muito bom "absorver" a energia dessa galera, enquanto perambulava e fotografava...



16 de abr de 2009

Para um bom entendedor!!

Cada uno da lo que recibe
Y luego recibe lo que da,
Nada es más simple,
No hay otra norma:
Nada se pierde,
Todo se transforma.

Jorge Drexler

loucuras a parte...


O dia de ontem parte 2:
Depois do episódio descrito abaixo, coincidências do destino no Café Cultura... continuei lá, sentadinha na mesa tocando um shrut Box (instrumento indiano) e tentando entrar no tom com o mantra ommmmmmmm.
Garçom: uma cerveja, duas e três... a galerinha foi indo embora, sobrou a duplinha. Pausa para citar duplas: Chico & Caetano; Roberto & Erasmo; Thelma & Louise; Cheech & Chong (que aliás está merecendo uma versão feminina); Kaká & Marza e tantas outras espalhadas pelo planeta.
Nos olhamos e... vai rolar um rock ‘n roll? Hj tem Projeto Metal Rock, vamos ver qual é? Afinal é o último da temporada lado B, pré San Francisco.
Lá foi a Kaká, de chinelo de dedo... sem perfume, maquiagem e muito menos vergonha... Entrei exatamente no momento que uma das minhas favoritas estava tocando, que por ironia do destino eu havia esquecido (fui lá apenas para relembrar), Rage Against the Machine, Killing in the name of.

Killing in the name of
Some of those that were forces are the same that bore crosses
Huh!
Killing in the name of
And now you do what they told ya
But now you do what they told ya
Well now you do what they told ya
Those who died are justified, for wearing the badge, theyre the chosen whites
You justify those that died by wearing the badge, theyre the chosen whites
Some of those that were forces are the same that bore crosses Uggh!
Killing in the name of
And now you do what they told ya
And now you do what they told ya, now youre under control
And now you do what they told ya!
Those who died are justified, for wearing the badge, theyre the chosen whites
You justify those that died by wearing the badge, theyre the chosen whites
Come on!
Fuck you, I wont do what you tell me
Fuck you, I wont do what you tell me
Motherfucker!
Uggh!

Depois desta música, foi só revelação. Olhei os cabeludos com camiseta preta do Metállica balançando a cabeça e pulando... achei simplesmente demais, livres. Lembrei que há muito tempo atrás eu tinha preconceito. Aih nada como o tempo para expandir nossa visão do mundo.
Depois vieram outras músicas, músicos, cervejas e acabei indo embora só quando a balada terminou. Sorridente, livre e feliz... fui soltar a tensão pré evento, descansar a mente e falar um pouquinho mais para as pessoas como elas são legais (ou não).
Acordei e escrevi uma mensagem parabenizando a iniciativa do projeto e claro falando da performace super sexy e talentosa de um dos músicos... Minha inspiração está de volta e que seja muito bem vinda.
Se tudo isso é loucura... espero continuar sendo louca por mais tempo.

para além do sorriso.. um simples oi!!

Preciso relatar o meu dia ontem... passo a passo, sem constrangimento algum – ui que desafio e que vergonha também!!
Estou diferente, sim sei que estou... com muita vontade de falar para as pessoas o quanto elas são importantes, bonitas, interessantes e especiais. Quero falar mesmo, com palavras , sons, bilhetinhos ou gestos – simplesmente me expressar.
Tem um menino que cruza meu caminho faz uns dois anos, sempre achei lindo, nada simpático e bem distante da minha realidade. Desde que voltei da Índia, comecei a cruzá-lo com mais freqüência e o inevitável sorriso de lado e tímido passou a fazer parte dos casuais encontros.
Bom, os meses foram passando... o sorriso passou para um oi, tudo bem? E por ali ficou. Claro, imagina se eu daria abertura ou tomaria a iniciativa para algo que considerava assim tão distante.
Até que ontem, estando os dois sem fazer nada, um em cada canto da sala... Eu, naturalmente me levanto e sento ao lado dele: e aí, tudo bem??
Ainda com naturalidade continuei a conversa como se fosse um super amigo de infância. Fui embora completamente impressionada com minha atitude. Quase 30 anos, foi o que eu tive que viver (nesta vida), para começar a soltar a timidez.
Quem me conhece e lê a auto denominação tímida deve dar risada... mas vamos lá... sou super comunicativa e me sinto a vontade em qualquer ambiente, mas quando bate um certo interesse a pessoa aqui literalmente trava! Ou melhor travava... agora acho que libertei.
Enfim, a noite encontrei com a Marza e fui logo contando tudo: olha só o que eu fiz, sentei do lado dele, acredita?? E ela disse: não acredito... sério? Que libertação...
Fomos desenrolando a conversa sobre o assunto, relatei cada detalhe, contei como me sentia mais leve e que tinha realmente entendido que é tão simples... sem jogo, encenação ou discurso decorado. Se gostou de algo ou de alguém? Vai lá e fala, com educação, respeito e naturalidade... se não gostou, e achar necessário falar - vai fundo - mantendo o princípio da não violência sempre.
Finalizando o primeiro pedaço do meu dia.. fomos para o tradicional Café Cultura e adivinha quem estava lá?? ELE MESMO, porém desta vez, ao contrário de antes: lindo, simpático e nem tão distante assim.
(passou quando estava indo embora, olhou sorridente e desta vez o oi, tudo bem? foi iniciativa dele)

Inspiração



Tenho que confessar que de uns dias pra cá algo mudou.. algo está diferente na minha atitude com relação ao mundo lá fora, ou melhor com relação a sociedade.

Talvez a vinda do Manju Jois para Florianópolis tenha impulsionado esta transformação... o porque realmente não sei, mas estou estudando... logo logo descubro!
Enfim, no domingo me dei conta do que estava realmente para acontecer.. tipo o filho do Patthabi Jois.. nada mais nada menos que uma verdadeira autoridade no método.
Fiquei trêmula, sai para correr e meu batimento estava 20 acima do normal, fiquei pensando sobre a responsabilidade de encabeçar a vinda dele para o Brasil, com uma única apresentação: Centro do Ser, Lagoa da Conceição, Floripa (quintal de casa)!!
Que ousadia, foi exatamente essa a expressão que utilizei... e o mais incrível: deu certo - o Centro do Ser vai pulsar, sala lotada, galera se preparando com o brilho do Yoga nos olhos.

Neste vídeo tem uma 'palhinha' do que é a prática de Ashtanga Vinyasa Yoga, coloquei um mais avançado, porém nem tanto, com determinação e disciplina chegamos até lá. Fonte de inspiração, intensa, na sua maneira simples e direta me eleva, me direciona de volta a natureza interna... pouco a pouco vou libertando os meus processos desde os simples aos mais cabulosos, vou me permitindo a ousadia, o caminho da libertação.

Om Shanti shanti shantihi

15 de abr de 2009

Balzaquianas??

by marza tozo

Ontem a Kaka chegou na aula de yoga empolgada e um tanto assustada, contando que tinha sido chamada de TIA, pela primeira vez. O lance é que ela estava andando de bike com óculos e capacete, como alguém poderia saber se ela era ou não TIA?? Bom, todas as meninas na aula acima de 25 anos começaram a contar sua próprias histórias sobre o tema. Aí no dia seguinte vou ao Detram tratar de burocracias e um menino de não mais de 20 anos me chama de TIA. Wow, os meninos que alguns anos atrás me chamariam de menina, moça, gatinha ou simplesmente de psiu, me chamou de TIA. Fui obrigada a rir e agradecer: "adorei o TIA"... é senhoritas, algum jeito ou trejeito mudou, vou acreditar que a segurança e a alegria dos quase 30 tomam conta da gente e todo mundo nota...Tia ou não, só sei que não existe nenhuma crise dos 30, pelo contrário, estou adorando chegar nessa idade, mesmo estando mais louca do que nunca...Honoré de Balzac pode explicar melhor talvez:

"Uma mulher de trinta anos tem atrativos irresistíveis. A mulher jovem tem muitas ilusões, muita inexperiência. Uma nos instrui, a outra quer tudo aprender e acredita ter dito tudo despindo o vestido. (...) Entre elas duas há a distância incomensurável que vai do previsto ao imprevisto, da força à fraqueza. A mulher de trinta anos satisfaz tudo, e a jovem, sob pena de não sê-lo, nada pode satisfazer."

"Uma mulher de trinta anos tem atrativos irresistíveis para um rapaz... Com efeito, uma jovem tem ilusões, muita inexperiência, e o sexo é bastante cúmplice do amor... ao passo que uma mulher conhece toda a extensão dos sacrifícios que tem a fazer. Lá onde uma é arrastada pela curiosidade, por seduções estranhas à do amor, a outra obedece a um sentimento consciente. Uma cede, a outra escolhe... dando-se, a mulher experiente parece dar mais do que ela mesma, ao passo que a jovem, ignorante e crédula, nada sabendo, nada pode compara nem apreciar... Uma nos instrui, nos aconselha... a outra quer tudo aprender... Para uma jovem seja amante, precisa ser muito corrompida, e então é abandonada com horror, enquanto uma mulher possui mil modos de conservar a um tempo seu poder e sua dignidade... A jovem... acredita Ter dito tudo despindo o vestido; mas uma mulher... se esconde sob mil véus... afaga todas as vaidades... Chegando a essa idade, a mulher sabe consolar em mil ocasiões em que a jovem só sabe gemer. Enfim, além de todas as vantagens de sua posição, a mulher de trinta anos pode se fazer jovem, desempenhar todos os papéis, ser púdica e até embelezar-se com a desgraça".
Trecho do livro "A Mulher de Trinta anos", escrito no início do séc XIX por Honoré de Balzac

14 de abr de 2009

"Toda Errada!!"

Como uma boa escorpiana e não iluminada ainda, eu me torno obsessiva sometimes: não consigo parar de pensar em San Francisco, oh Lord!!
Portanto vou colocar mais um "video nostálgico de um tempo que não vivi". O vídeo é de uma menina, moça ou mulher da Polônia que está louca para conhecer o Brasil!! Thank you OOstarshineOO!!

&autoplay=1

12 de abr de 2009

eu fumo, eu como... eu não aguento!!


Logo que terminei a postagem anterior escutei essa... outra dupla irresistível com uma composição simplesmente fantástica!!

Quando eu chego em casa nada me consola
Você está sempre aflita
Lágrimas nos olhos de cortar cebola
Você está tão bonita
Você traz a coca-cola, eu tomo
Você bota a mesa
Eu como, eu como, eu como, eu como, eu como
Você
Você não está entendendo nada do que eu digo
Eu quero ir embora
Eu quero dar o fora
E quero que você venha comigo
Todo dia, todo dia
Eu me sento, eu fumo, eu como
Eu não aguento
Você está tão curtida
Eu quero tocar fogo nesse apartamento
Você não acredita
Traz meu café com suita, eu tomo
Bota a sobremesa, eu como
Eu como, eu como, eu como, eu como
Você
Tem que saber que eu quero é correr muito
Correr perigo
Eu quero ir embora
Eu quero dar o fora...

Você não entende nada/Cotidiano
Caetano Veloso e Chico Buarque

ilegal, imoral ou engorda...


Vivo condenado a fazer o que não quero
Então bem comportado às vezes eu me desespero
Se faço alguma coisa sempre alguém vem me dizer
Que isso ou aquilo não se deve fazer
Restam meus botões...
Já não sei mais o que é certo
E como vou saber
O que eu devo fazer
Que culpa tenho eu
Me diga amigo meu
Será que tudo o que eu gosto
É ilegal, é imoral ou engorda
Há muito me perdi entre mil filosofias
Virei homem calado e até desconfiado
Procuro andar direito e ter os pés no chão
Mas certas coisas sempre me chamam atenção
Cá com meus botões...
Bolas eu não sou de ferro
Paro pra pensar
Mas não posso mudar
Que culpa tenho eu
Me diga amigo meu
Será que tudo que eu gosto
É ilegal, é imoral ou engorda
Se eu conheço alguém num encontro casual
E tudo anda bem, num bate papo informal
Uma noite quente sugere desfrutar
Do meu terraço, a vista de frente pro mar
Mas a noite é uma criança
Delícias no café da manhã
Então o que fazer
Já não quero mais saber
Se como alguma coisa
Que não devo comer
Se tudo que eu gosto
É ilegal, é imoral ou engorda.

Composição: Roberto Carlos / Erasmo Carlos

Não hesitei em colocar esta música no blog...
TODOS BUSCANDO LIBERDADE - SEMPRE!!!!!!!
Pra que tanto padrão heim??
Onde queremos chegar com essa pressão?
Imoralidades a parte, quero é ser feliz...

até quando tenho que existir...


Ontem sai para almoçar com o pai, caminhando de volta para casa ele me perguntou:
- Mais você não pensa no futuro? Em ter uma vida mais enraizada... vai querer viajar a vida inteira?
Não sei!!! Meu presente está totalmente voltado para viagens, solto... estou seguindo o fluxo dos acontecimentos e por agora é isso. Mas não se preocupe comigo, estou feliz, isso é o mais importante, não é? Ponto final.

Fiquei um pouco bolada, pensei várias vezes sobre o assunto ao longo do dia. A noite, galerinha reunida aqui em casa a Marza me faz uma pergunta 'quase que em silêncio':
- E tu não tem medo de errar??
- Tenho claro, e tu?
- Também!!
Suspirei até retomar o fôlego e logo em seguida disse que um dia iremos nos perguntar o que fizemos de nossas próprias vidas??

O QUE VOCÊ FEZ DA SUA VIDA...
E O QUE A VIDA FEZ COM VOCÊ???

Vivemos o presente como conseqüência do que fomos no passado e visando aquilo que seremos no futuro... tão complexo, arriscado e sutil... mas enquanto o tempo passa, o vento tráz as respostas e agente aprende com elas.
Acho que o Bob Dylan percebeu isso primeiro:
How many roads must a man walk down
(por quantas estradas o homem tem que passar)
Before you call him a man?
Até que você o considere mesmo um homem
...
How many years can a mountain exist
Por quantos anos uma montanha pode existir
Before it's washed to the sea?
Antes de ser lavada pelo oceano?
Yes, 'n' how many years can some people exist
Por quantos anos algumas pessoas podem existir
Before they're allowed to be free?
Antes de se tornarem livres?
Yes, 'n' how many times can a man turn his head
Por quanto tempo o homem vai virar a cara
Pretending he just doesn't see?
Fingindo que não vê?
How many times must a man look up
Quantas vezes o homen vai olhar para cima
Before he can see the sky?
Até que consiga ver o céu?
Yes, 'n' how many ears must one man have
Quantas orelhas o homem deve ter
Before he can hear people cry?
Até que possa ouvir as pessoas chorarem?
...
The answer, my friend, is blowin' in the wind.
As respostas, meu amigo, estão soprando no vento.

Blowin' in the wind, BOB DYLAN.

8 de abr de 2009

Ao vivo!!

Pela primeira vez estou ao vivo escrevendo no blog depois de querer escrever algo...sem antes ter que escrever num caderinho...Bom o negócio é o seguinte:
Descobri minha missão na terra!!!*
Libertar pessoas!!
* não que isso queira dizer que eu já sei como fazer isso, mas estou feliz em descobrir!!

7 de abr de 2009

Que alívio, sem culpa nenhuma...só não vale usar como desculpa...sem culpa consciente já!!

Fazendo massagem, relaxando a tensão
Em plena vagabundagem, com toda disposição
Falando muita bobagem , esfregando com água e sabão

Que tal nós dois numa banheira de espuma
El cuerpo caliente , um dolce farniente
Sem culpa nenhuma

Despida, desnuda e sem culpa...


Depois de dar título a postagem anterior, fiquei refletindo sobre a palavra “desculpa”, ai quanta culpa num conjunto de letras...
Tão freqüente nos pensamentos e bocas... desculpa pela atraso, desculpa pela acidente, desculpa não está mais aqui quem falou, desculpa não foi minha culpa e um monte de blá blá blá.
Tomei uma decisão...

Vou levar a vida mais solta, fazer tudo da melhor maneira possível, com emoção, deixar que o coração entre em sintonia com a razão, tentar ser coerente nas idéias... assumir as conseqüências das minhas ações livre de qualquer pressão!
Sem culpa de gastar dinheiro viajando; de retornar ao mesmo lugar; de ficar longe das aulas, dos treinos e do Fidel; de me entregar as experiências do mundo lá fora de voltar realizada ou não, afinal, o que realmente importa??


SEXO, DROGAS E ROCK ‘N ROLL

(com limite, com amor e muita emoção)

SEM CULPA!!!!!!

(des) culpa, despida, desnuda...

casal 'sem culpa' fotografado na Haight Street - San Fan

Dia desses fiquei horas discutindo relacionamentos com uma amiga – Maneca, irmã de tapetinho. Entre tigela de açaí, salada de frutas e o café expresso... muitas palavras e conclusões bem significativas reverberaram de nossas idéias.
Uma livre, leve e solta para amar; outra presa nos preconceitos e rituais que envolvem uma relação. Ambas com os mesmos medos e inseguranças, porém padrões opostos de entrega.
Liberdade e libertinagem – amor e paixão – entrega e solidão – culpa e compaixão.
Chegamos ao final de todos os relacionamentos, exatamente onde nos deparamos com a mesma situação. A culpa do sofrimento alheio, das lágrimas de quem um dia amamos – não que deixamos de amar... apenas mudamos o foco do sentimento.
Mas culpa, como assim culpa???
Como posso eu ser responsável pelo sofrimento de alguém? Ah não!! Já tenho bastante responsabilidade na vida, coisas demais para realizar... e ficar segurando choro de menino crescido já é demais...

Eu, racionalizando tudo como sempre, acho que temos que nos responsabilizar pela própria dor. Parece mesmo muito confortável jogar a culpa em que está do nosso lado – ah você que terminou... você só me faz sofrer... e nossas promessas, você estragou tudo... quem é o cara que você está saindo?? Aquelas palavras que mais ofendem do que solucionam o caso, o ego despedaçado falando por si... um monte de besteiras que inconscientes, já ouvimos e falamos um dia na vida...
Acho que está na hora de crescer, aparecer e assumir as responsabilidades emocionais que a vida nos impõe. A relação não deu certo?? Fazer o quê, acontece... nem todo mundo nasceu com alma gêmea. Aceita, releva, perdoa. Colocar a dor nas costas de alguém que amamos parece confortável, mas não muito verdadeiro e solidário.

Cada um tem o tamanho de sofrimento que pode carregar nesta vida, então tente aprender e tirar as melhores lições possíveis de cada relacionamento – quando você pula fora ou quando leva um fora. Em ambas as situações cada um tem aquilo que merece, mérito ou demérito, dessa ou de outra vida.

Horas depois concluímos nossa conversa com a frase estampada na testa: all we need is Love, Love is all we need!!

Love, love, love, love, love, love, love, love, love
There's nothing you can do that can't be done
Nothing you can sing that can't be sung
Nothing you can say, but you can learn how the play the game
It's easy
There's nothing you can make that can't be made
No one you can save that can't be saved
Nothing you can do, but you can learn how to be you in time
It's easy
All you need is love
Love is all you need
Nothing you can know that isn't known
Nothing you can see that isn't shown
Nowhere you can be that isn't where you're meant to be
It's easy

John Lennon & Paul McCartney

5 de abr de 2009

Contagem regressiva...

Hoje falta exatamente 1 mês para embarcarmos para San Francisco, a terrinha que inspirou:

"Make Love not War" - sexo,
"Drop Acid not Bombs" - drogas e
"All You Need is Love" - rock n roll

Enquanto isso vou preparando as flores para colocar nos meus cabelos...

&autoplay=1

4 de abr de 2009

Uma prévia sobre drogas

autoplay=1

Como falamos por muito tempo sobre rock 'n roll, a idéia era fazer o mesmo com o sexo e então com as drogas... mas vou me dar o direito de misturar os assuntos postando este vídeo.
Sente-se em uma postura firme, confortável, respire fundo e não perca a oportunidade de dar muitas risadas!!

3 de abr de 2009

depois do rock 'n roll... o sexo

By Marza Tozo

Esta semana percebi que a fase rock ‘n roll está passando... de maneira nenhuma estou me referindo a preferência musical, o que está se desfazendo é a vontade de estar trancafiada e esmagada dentro de um lugar escuro carinhosamente chamado de ‘balada’.
Fazendo um reverencia a famosa trilogia sexo, drogas e rock ‘n roll... talvez seja o momento de falar menos de rock e mais sobre sexo e drogas, já citei Jim Morrison perguntando Why not?
Não que eu seja uma especialista nesses assuntos, muito pelo contrário, minha vida profana é bem superficial, mas também não sou santa. Estou aqui apenas, tentando colocar algumas idéias que circulam na minha mente muito mais profana do que eu.
Tenho um Cd, chamado Moonshine Sessions (o qual recomendo), e uma das faixas se chama Psycho Girls & Psycho Boys... vou reproduzi-la aqui, pois acho que ela expressa muito do que eu sinto sobre o tema SEXO.

All the psycho girls todas as psycho girls
Are suffering toys são bonecas que sofrem
For the psycow boys pelos psycow boys
Looking for love em busca de amor

All the psycho girls
Are never alone elas nunca estão sozinhas
Always surrounded sempre se rendendo
By the…crazy ones aos mais malucos

Madness, loneliness maldade, solidão
Mother & son mãe e filho
Seeking light in darkness procurando luz na escuridão
Like everyone como todos nós

Little psycho girl
In bed with a boy na cama com um garoto
Giving your body entregando seu corpo
But never your soul mas nunca sua alma

All the psycho girls
With beautiful words com suas belas palavras
Are vegeterians são vegetarianas
But they…eat your heart raw mas comem seu coração cru

True love, holiness amor verdadeiro, santidade
Father & son pai e filho
Lead your life to the brightness direcionando sua vida para iluminação
Don’t stare at the sun não fixam seu olhar para o sol
Philippe cohen solal

Não posso garantir ao certo o que o compositor estava querendo com tudo isso, mas posso falar minha opinião sobre suas palavras muito bem cantadas.
Bom, nesse mundo perverso e promiscuo que vivemos, todas as atenções ficam voltadas para o lado de fora... tentamos suprir a carência da falta de conhecimento sobre nós mesmos comprando casa, carro, roupa nova e conquistando novos parceiros, caindo no inevitável ‘jogo de sedução’, que mas dispersa energia do que agrega.
Jogando charme para todas as direções, vamos jogando também nossa essência, que vai se dissolvendo até que inevitavelmente nos transformamos em psychs girls – em busca de um grande amor, sem saber ao certo o que é amar...
Quanto mais parceiros mais aumenta a solidão, a entrega do corpo é banal, já não mais importa – afinal o coração está fechado e alma está dispersa, deixando a nuvem da ignorância cada vez mais escura, densa e profunda.
(quando cito a palavra ignorância me refiro àqueles que ignoram a si próprio, buscando lidar com seus medos e aversões do lado de fora, sem perceber que a solução está no lado de dentro)
Para finalizar quero enfatizar o trecho da música que diz: todos nós procuramos luz na escuridão, como todas as psycho girls & psycho boys.

1 de abr de 2009

Atropelando os fatos

Essa semana me dei conta da ação do tempo, tudo tão rápido, intenso e atropelado.
Estávamos atravessando a rua no domingo em direção ao Cultura, quando a Marza me pegou no braço para eu tomar cuidado com os carros – Ui, me senti na Índia!! Que forte foi a sensação de medo de atravessar, assim como era na Índia, quando segurávamos uma o braço da outra com medo de nos perder ou de algum meio de transporte passar por cima.
Meu coração ficou pulsando por alguns momentos... sentamos no cultura, tradicional bolo de cenoura com cobertura de chocolate e as palavras saíram gritando da minha boca:

- A Índia foi muito forte, como eu mudei, quanta coisa ainda está em transformação por dentro e por fora... e daqui há um mês já embarco em outra jornada – que promete mexer muito mais pelas circunstâncias do lugar, da prática e da meditação que faremos lá.

Será que estou com medo?? Fiquei me questionando sobre o tempo certo dos acontecimentos, se há que existe mesmo o tempo... muitas vezes a vida me soa atemporal, fácil e suave, e é... mas aí vem a confusão e quase enlouqueço correndo atrás de tudo o ‘tempo’ todo.

Conclusão, preciso ficar mais atenta e não passar por cima de fases importantes da vida... criança sai para brincar, depois vai a escola... daí fica mais assanhada e quer namorar, mas tem idade certa... então vem a faculdade, estágio, trabalho fixo, responsabilidade, família e claro, para alguns VIAGENS!!! O mais importante e viver cada fase de uma vez, sem ansiedade, o tempo real dos fatos.

Apesar de viver em plena agitação mental, e acreditem tranqüila com isso e feliz com minha vida em Floripa, estou certa que este é um momento de colocar o pé na estrada mesmo.
E o que parece mais maluco nisso tudo é que já estamos falando sobre um próximo destino.. tipo, nem sabemos ainda o que será de nós em Frisco, se ficamos por lá ou voltamos... será que estamos atropelando alguma coisa ou é apenas uma questão de organização?
Depende do ponto de vista, eu acho - ou prefiro achar!!

I love our home
Under the moon
I love you darling
And i’ll see you soon...

I know darling, what I’m looking for, lies right behind your door
But man was made to roam,
And the stars just seem brighter a little further down the road...

But let me drive again
On the roads to nowhere
I’ll be back again
But it’s true, i don’t know when

Philippe Cohen Solal

A experiência da libertação!!

By Marza Tozo

Trecho do livro "The Art of Living - Vipassana Meditation", traduzido pelo entendimento de quem ainda não se iluminou.
* só pra esclarecer que a libertação que falamos e pregamos aqui é a libertação das nossas mentes, dos nossos sofrimentos e dos nossos condicionamentos por nosso próprio mérito e dedicação. Onde cada um encontrará a sua maneira ou meio de se libertar. Nós praticamos yoga, meditação e viagens, uns correm maratonas, outros vão à Igreja, outros tomam chás, outros lêem livros, alguns tomam passe, umas se tornam mães e assim por diante...o importante é nos tornarmos sempre livres e felizes!!

"Libertação é possível. Todo mundo pode ser livre de todo condicionamento, todo sofrimento. The Buddha explicou:
Existe uma esfera de experiência que está além de todo o campo da matéria, de todo o domínio da mente, que não é este mundo nem outro mundo nem ambos, não é nem a Lua nem o Sol. Isso eu chamo nem de surgimento, nem falecimento, nem cumprimentos, nem morte ou renascimento. É sem suporte, sem desenvolvimento, sem fundamento. Isto é o fim do sofrimento.
...
Quando confrontamos com todos os altos e baixos da vida, a mente ainda permanece inabalável, sem lamentação, sem gerar desilusão, sempre sentindo segura; isso é a maior felicidade...the real happiness. (e o mais difícil de alcançar, não acham?)
...
Melhor um único dia de vida vendo a realidade dos nossos altos e baixos, alegrias e tristezas, desejos e aversões do que 100 anos de existência permanecendo cego a isso tudo."