Quem somos

31 de ago de 2009

Sabedoria e seriedade

Desesperadamente conflitada, esta é a definição do meu momento!
O corpo cheio de sensações, a mente calma mas o coração apertado cheio de apego, culpa - talvez, saudades e sei lá mais o que... Enfim, sai da natação, mais conturbada do que estava e fui almoçar no Restaurante Lua, sentadinha com a montanha de comida na minha frente a Marza liga e sobre processos de uma e de outra fui devorando a gororoba sem ao menos perceber o que estava comendo...
Quando desliguei o telefone, com a mão na cabeça, pensei: Caramba, porque tudo isso hoje?? Nem na hora do almoço eu consegui estar presente - cruz credo!!! Ao mesmo tempo que decidi dar um basta naquele momento de desespero, ergo a cabeço e logo a minha frente um quadro com a imagem de Buddha e algumas palavras me trouxeram de volta a serenidade... porém, as sensações ainda continuam...

The secret of health for both mind and body is not to mourn for the past, not to worry about the future, or not to anticipate troubles, but to live in the present moment wisely and earnestly.

O segredo de uma mente e um corpo saudável, não é chorar pelo passado, não se preocupar com o futuro, ou não antecipar problemas, mas viver no momento presente com sabedoria e seriedade.
Buddha

29 de ago de 2009

Very Sweet

Mais um dia de sol em Floripa

You don't get something for nothing, turn now
Hmmm gotta try a little harder

It could be sweet
Like a long forgotten dream
And we don't need them to cast the fate we have
Love always shine thru

You don't get something for nothing, turn now
Mmmm gotta try a little harder
It Could Be Sweet, Portishead
(Tomei a liberdade de fazer algumas modificações)

Você não ganha algo do nada, volta agora
Hmmm tenho que tentar um pouco mais difícil
Poderia ser doce como um sonho esquecido
E nós não precisamos deles para lançar a sorte que temos
O amor sempre brilha
Você não ganha algo do nada, volta agora
Mmmm você tem que tentar um pouco mais difícil

Não sei ao certo o motivo real de ter postado essa música - meus momentos.. porém, além de ter uma melodia bem melancólica, fazendo um estilo que eu adoro, acho que ela me remete aquelas questões de escolhas... não conquistamos algo do nada; sempre tem que abrir mão de alguma coisa; sempre tem que moldar os sonhos a medida que eles se apresentam... adaptabilidade, determinação para tentar um pouco mais e mais.

28 de ago de 2009

Pripoca!!

HAPPY BIRTHDAY!! YOU'RE SO AMAZING!!




I hope your tears are few and fast
I hope your dreams come true and last
I hope you find love that goes on and on and on
I hope you wish on every star
I hope you never fall too far
I hope this world can see how wonderful you are

Amiga muito especial, que conhecemos na nossa primeira ida a San Francisco e que reencontramos nessa última jornada e que sem dúvida rolou uma conexion e tanto! Bom, não preciso dizer quem ela é no vídeo né...não por ser o foco da camera, mas porque definitivamente é a mais expressiva, linda e comovente...

27 de ago de 2009


Sonhos são como Deuses
se não se acredita neles:
eles deixam de existir...
Antônio Cícero

Tudo novo!



Se você tem sinceridade de propósito
o universo conspira a seu favor!!
1


Há uns dias atrás escrevi que estaria abandonando esse corpinho... que inocência a minha achar que era apenas o corpo que entraria em processo de transformação, esqueci que existe toda uma conexão de outras coisas que envolvem a prática, tipo a mente, os próprios pensamentos e as emoções.
Que profunda maluquice. Tudo começou no sábado com uma simples aula guiada toda no esquema do Shala na Índia “no dance/not correct method/eat more chapatis” e coisas do genêro. De domingo em diante a sessão self practice/mysore style foi interiorizando a brincadeira... depois ao longo do dia o fato de sair da rotina completamente aprofundou ainda mais o processo.
Hoje decidi abandonar os amigos Yoguis e tentar perceber mais a fundo como realmente estou... putz, está tudo tão incrivelmente bem e tranquilo aqui dentro... o corpo mudou mesmo, conquistei posturas antigas que se tornaram novas; conectei ações desconhecidas; me dediquei; repeti 108 vezes o que parecia ser a mesma coisa; obedeci as regras; estabeleci novos valores; realizei um sonho - yes, suptakurma.


Descrevendo os sentimentos, com o coração despedaçado percebi que não adianta querer aquilo que não pode ser almejado agora... entendi que a distância apaga a força da paixão e tudo bem. Certamente fico triste, afinal, me apaixonei de verdade – o que não é algo assim tão fácil de acontecer. Por outro lado fico muito feliz pela oportunidade de ter vivido toda essa ‘pequena’ história, que talvez ainda tenha um outro fim.

A mente barulhenta se acalmou bastante, entendeu que não há motivo algum para grandes agitos; que apesar de estar prestes a mudar de vida radicalmente, tudo está perfeitamente bem.
Posso anunciar aqui que estou pronta para recomeçar uma nova prática; uma nova rotina; novos amigos, amores, lugares e experiências – tudo novo numa cidade que facilmente posso consider velha - same same but different.

26 de ago de 2009

"Tentativas de remover a tristeza é o que sempre estamos fazendo; elas constituem uma vida de limitação e dependência. Uma vida vivida em liberdade, por outro lado, é ver o fato da impossibilidade da tristeza."

trecho do livro Liberdade, de Swami Dayananda Saraswati

Compaixão, ela existe!!

guerreira e compaixão, by me
Já citamos muitas vezes a palavra compaixão neste blog, inclusive de que foi o maior aprendizado do Vipassana, aquela meditação maluca, que estou louca para repetir...Mas é que só nos acontecimentos do cotidiano que percebemos até que ponto temos compaixão ou não, seja pelas pessoas, pelas coisas e por nós mesmos...Saber o que é ter compaixão é bem diferente do que realmente é sentir compaixão. E depois de quase um ano de ter feito o Vipassana é que tenho dado conta disso. Claro, que sem a prática de Ashtanga eu não teria toda essa consciência de ter ou não compaixão. Quem sabe por isso tenho rido tanto da minha cara e das mazelas dos outros (no bom sentido do entendimento, é claro). Mas enfim, onde quero chegar é que hoje tive uma outra oportunidade de sentir compaixão...
Tenho um "processo" no meu corpo há mais ou menos 8 anos, que muitas outras mulheres também tem...uma tal de cistite (infecção urinária)...já cheguei a ter mais de 4 em um mesmo ano...e sempre ficava com muita raiva e irritada com isso, afinal de contas tomava todos os cuidados necessários que os milhares de médicos, sites e receitas da vovó indicavam. Já tomei vários chás amargos, yakult, vitamina C, tomo suco de laranja todo dia, Centrum, até quimioterápicos eu já tomei, etc, etc...Claro, como já falei anteriormente tenho um probleminha de disciplina, mas não vou entrar nesse detalhe. Estava tomando até pílulas de cranberry desde de maio, que eu trouxe de San Francisco, que promete melhorar e muito o tônus do trato urinário...e eu jurava estar curada!!! Até esta noite chegar...e eu sentir uma compaixão tremenda por este corpo que me pertence. Não fiquei com raiva e nem irritada, não precisei nem chorar de indignação que eu não estou curada...ainda...mesmo perdendo a super prática de hoje de manhã com o senhor Mario Reinert...mas confesso que apesar do desconforto de se ter uma cistite e ter que tomar antiobióticos e talvez não poder tomar uma cervejinha no fim de semana, estou bem!!! E grata por mais esse aprendizado que o Universo me deu!!! Vou abraçar a cistite, pra quem sabe ela ver que não incomoda mais este corpinho...e se alguém tiver mais alguma receita, não custa nada tentar né...

24 de ago de 2009

Imperfeição

Eu admiro o que não presta
Eu escravizo quem eu gosto
Eu não entendo.
Eu trago o lixo para dentro
Eu abro a porta para estranhos
Eu cumprimento.
Eu quero aquilo que não tenho
Eu tenho tanto a fazer
Eu faço tudo pela metade.
Eu não percebo.
Eu falo muito palavrão.
Eu falo muito mal.
Eu falo muito.
Eu falo mesmo.
Eu falo sem saber o que estou falando.
Eu falo muito bem.
Eu minto.
Tudo pela metade, Nando Reis
Identificar e assumir nossas imperfeições pode ser a maneira mais eficaz de transformá-las... Perceba-se!!

23 de ago de 2009

O Dia que a Terra Parou

Especialmente hoje, posso considerar que os domingos são realmente auspiciosos... Começando com a prática que foi muito boa, boa mesmo!! Depois aquele tradicional Brunch no Café Cultura com conversas sem fim, cheias de coisas para digerir ao longo da semana... uma delas foi:
"A vida é permeada por problemas, nós seres humanos, precisamos deles para evoluir... então é melhor que eu tenha problemas reais do que ficar inventando coisa"
Pensei... interessante isso heim!!!! Talvez essa teoria justifique minha vontade de sair de Floripa, trocar a zona e conforto por uma certa instabilidade. Além de buscar aventura, arte, diversão e conhecimento, talvez a senhoritas Little Crazy estejam em busca de alguns 'probleminhas'.
Já foi tema de muitas postagens nesse blog a ideia de cada um com seus próprios problemas, pois que seja!
Enfim, ainda no Cultura, falando sobre a Índia... dando muita risada e me perguntando como eu pude ficar tanto tempo lá e ao mesmo tempo com vontade de voltar ouço a Marza falar:
"Com os Indianos aprendemos o que é persistência de verdade".
Imediatamente, liguei a ideia de 'buscar alguns perrengues na vida com a persistência em superá-los'.
Horas depois, já em casa e assistindo o filme O Dia que a Terra Parou/The Day the Earth Stood Still me deparo com algumas falas realmente imprecionantes, e já citando a mensagem principal do filme onde o alienígena desisti de salvar a terra dos humanos e vai embora dizendo:
"É no precipício que nos transformamos", em outras palavras, é através dos problemas que evoluimos. Será que isso quer dizer alguma coisa??


1
Do you feel pain? Você sente dor?
My body does. Meu corpo sente
Are you Human? Você é Humano?
My body is. Meu corpo é
1
If you die the earth survives!
Se você morrer a terra sobreviverá!
1
Talvez este filme seja mais uma daquelas pira americanas de ataques e destruições, mas recomendo pela passagem que mostra a necessidade de encontrar um equilíbrio entre o planeta e a existência humana. Também ao longo do roteiro é perceptível a ideia de que somos bons e podemos mudar, precisamos apenas de uma chance... e por que não?
Para finalizar a frase que mais me chamou a atenção "tente persuadi-lo pelo coração, não pela razão" - Talvez esteja ai a chance que todos nós precisamos, usar um pouco mais o coração, a sensibilidade e se permitir viver muito mais!

http://www.thedaytheearthstoodstillmovie.com/

21 de ago de 2009

Para lapidar a alma


Quero aproveitar que tenho um blog e anunciar que amanhã ou algum dia dessa semana, estarei abandonando este corpinho... A palavra abandonar neste contexto talvez traga conotações diferentes, então prefiro substituí-la por transformar.

Isso mesmo, corpo em transformação... respiração, vinyasas, bandhas, posturas.. da pele para dentro... agitando e acalmando... sutilizando e finalmente transformando.

Neste sábado iniciamos no Centro do Ser o segundo evento oficial de Ashtanga Vinyasa Yoga neste Estúdio, desta vez com a ilustre presença do meu amigo e professor Mário Reinert.

7 dias da semana; 7 práticas; incontáveis vinyasas; aquela voz que vem de longe dizendo “Kaká, vamos repetir essa postura!!” ou ainda, “Já fez duas vezes?”. Ah, lembrei de outra, além ajuste tenho que segurar mais 5 respirações sozinha..

Transformando corpo e mente, coração e razão, sensações e sentimentos...

E tudo isso pra quê? Viver 1000 vezes mais, talvez... sei lá... para transformar mesmo, vivenciar, experimentar... seguir algo que está fazendo sentido, alimenta, motiva e direciona... nada mais além da prática, devoção e disciplina!!!

Vinyasas: sincronia dos movimentos com a respiração

Bandhas: conexões internas do corpo

Mário Reinert: http://www.astanganamaskara.com.br/yoga/default.asp

Ashtanga Vinyasa Yoga: http://kpjayi.org/

Happy Dreamer

Lá por volta dos meus 18 anos eu era apaixonada por um menino, da minha idade, que me "trocou" por uma coroa, não a de um rei, mas sim por uma pessoa de idade avançada...Trocou entre aspas, pois quem foi trocado realmente, foi meu orgulho ferido e meu lindo ego, é claro, já que éramos apenas "ficantes" e ele nem tinha prometido casar comigo. Mas isso é só o primeiro detalhe. O segundo detalhe, é que esta coroa na época, tinha 30 anos. Como é de se esperar de uma menina de 18 anos que vive o presente mais do que qualquer outra coisa, nem lembrava que um dia eu chegaria a essa idade também, ou seja, seria uma coroa aos 30. Bom, ainda bem que isso tudo são só detalhes da visão de uma menina de 18 anos que perdeu o gatinho para uma mulher de 30 anos. Aonde quero chegar é que tenho rido muito de mim mesma nos últimos tempos. Claro que tenho feito coisas que eu jamais pensaria em fazer antes, mas com o mesmo sentimento adolescente...quando isso acontece, eu e minha blogmate, costumamos a nos chamar de coroas passadas e morremos de rir. Afinal de contas já está na hora de clarear os dentes, fazer depilação definitiva, peelings, analisar o surgimento de linhas de expressão e tentar fazer dieta pra perder uma barriguinha que não sai nunca...antigamente era só ficar sem comer o dia inteiro que a noite podia sair de barriga de fora...Mas, novamente, ainda bem que isso tudo são só detalhes. O melhor de tudo é que mais do que nunca, estou mais livre e sou uma Happy Dreamer que adoraria sair correndo pela praia sem roupa alguma...


I'm a happy dreamer
I believe in love
I'm a happy dreamer
Guess I'm not the only one
I'm a happy dreamer
I believe in you and me
I'm a happy dreamer

I'm a happy dreamer
I believe in love
I'm a happy dreamer
Guided by the stars above
I'm a happy dreamer
I believe in love can change the world 
Oh,yeah

I'm a happy dreamer
I believe in love
I'm a happy dreamer
Looking out for the sun
I'm a happy dreamer
I believe in love can change the world 


(Happy Dreamer - Laidback)

20 de ago de 2009

Aquela mesma história de sempre

Downey St, San Francisco.

Por falar em padrões, situações incansávelmente se repetem... Lá fui eu brincar de tirar cartinhas do Oráculo de Rama depois de algumas cervejas, e surpresa... cartas diferentes que dizem a mesma coisa, pelo menos assim eu as interpreto:


THE FINAL CHALLENGES
Help is available to begin a risky journey
to attain an important goal
A hidden life purpose awakens to birth sucess

DESAFIOS FINAIS
A ajuda está disponível para iniciar uma viagem arriscada
para atingir um objetivo importante
A finalidade da vida escondida desperta para o nascimento de sucesso

We are reminded of a special but forgotten Power that we have. We have been reminded of our divine mission in life, which we had forgotten or were unaware of. We must know to fulfill it. This verse is also favorable for a great new idea or the start of an important new endeavor that will lead to great achievements.
Nós somos lembrados de um poder especial, pois esquecemos possuimos. Temos sido lembrados de nossa missão divina na vida, que nós esquecemos ou não sabiamos. Temos de saber para cumpri-la. Esse verso também é favorável para uma nova grande idéia ou o início de um empreendimento novo e importante que levará a grandes conquistas.

Ficando cada vez melhor!!

Direction Home
Nunca fui muito ligada a Prana Yoga Journal Americana, porém, nessas últimas semanas fui incluída na newsletter deles - Como? confesso que nem sei...
Enfim, o último tópico considerei bem intrigante, não que eu não conhecesse o termo Samskara... já estudei e escutei bastante sobre o tema, mas como sempre só assimilamos aquilo que estamos prontos, dessa vez me dei conta de mais um super padrão: SAN FRANCISCO.
Por que será que vou e volto o tempo todo?
Sei lá, mas gostei do parágrafo final, dizendo que quando reconhecemos um padrão podemos transformá-lo de negativo para positivo... definitivamente, se por algum motivo esse era um hábito não tão bom assim, agora vai passar a ser muito melhor!!
1
Seja Gentil, Não Retroceda
Segundo a filosofia Yoguí, nós nascemos com uma herança kármica de padrões mentais e emocionais, conhecido como samskaras, através da qual repetimos ciclos muitas vezes durante nossas vidas. A palavra vem do samskara sam do Sânscrito ( "completo", ou "juntas") e kara ( "ação", "causa", ou "fazer").
Além de serem padrões generalizados, samskaras são impressões individuais, idéias ou ações; tomadas em conjunto, nossos famosos condicionamentos. Repetindo samskaras nós os reforçamos, criando um ciclo que é difícil resistir.
Samskaras podem ser positivo, imagine os atos altruístas de Madre Teresa. Entretanto, eles também podem ser negativos, como nos padrões mentais que estão subjacentes a baixa auto-estima e auto-relacionamento destrutivo. São os Samskaras negativos que impedem a nossa evolução positiva.
Porém, com a plena consciencia, boas intenções e muita paciência, você pode transformar seus padrões negativos em positivos. O primeiro passo é tornar-se consciente de quando você está caindo em seus hábitos.

Be Kind, Don't Rewind
According to yogic philosophy, we're born with a karmic inheritance of mental and emotional patterns—known as samskaras samskaras—through which we cycle over and over again during our lives.
The word samskara comes from theSanskrit sam ("complete," or "joined together") and kara ("action," "cause," or "doing"). In addition to being generalized patterns, samskaras are individual impressions, ideas, or actions; taken together, our samskaras make up our conditioning. Repeating samskaras reinforces them, creating a groove that is difficult to resist. Samskaras can be positive—imagine the selfless acts of Mother Theresa. They can also be negative, as in the self-lacerating mental patterns that underlie low self-esteem and self-destructive relationships. The negative samskaras are what hinder our positive evolution.
But with mindfulness, right intention, and a lot of patience, you can turn your negative patterns into positives. The first step is to become aware of when you're falling into your habits.

19 de ago de 2009

Dia Mundial da Fotografia

tentando fotografar o barulho, a dúvida e o medo...by marza tozo

Difícil fotografar o silêncio.
Entretanto tentei.
Eu conto:
Madrugada a minha aldeia estava morta.
Não se ouvia um barulho, ninguém passava entre
as casas.
Eram quase quatro da manhã.
Ia o Silêncio pela rua carregando um bêbado.
Preparei minha máquina.
O silêncio era um carregador?
Estava carregando o bêbado.
Fotografei esse carregador.
Tive visões naquela madrugada. 
Preparei minha máquina de novo.
Tinha um perfume de jasmim no beiral de um sobrado.
Fotografei o perfume. 
Vi uma lesma pregada na existência mais do que na
pedra.
Fotografei a existência dela. 
Vi ainda um azul-perdão no olho de um mendigo.
Fotografei o perdão.
Olhei uma paisagem velha a desabar sobre
uma casa.
Fotografei o sobre.
Foi difícil fotografar o sobre.
Por fim enxerguei a Nuvem de calça.
Representou para mim que ela andava na aldeia de
braços com Maiakovski - seu criador.
Fotografei a nuvem de calça e o poeta.
Ninguém outro poeta no mundo faria uma roupa
mais justa para cobrir a sua noiva.
A Foto saiu legal.


Manoel de Barros
In: Ensaios Fotográficos

18 de ago de 2009

Life is too valuable


It’s like, if you give yourself up, listen, nobody can blackmail you at anything. I never forget, you know, when I first started to understand what all of this was all about, I just went to my parents and I started confessing about stuff I did like in the second grade. Seriously, but we don’t know how all that stuff over time, we are kids, all that repression, all that stuff just holding you, you know, stuff I talking about boys feeling my booty in the second grade, I mean, I’m telling, and ashamed of that, you know. Like no other girl in this audience played “run catch and kiss” or any of those silly games. But just, from a child, just growing up with all that guilt, you know, and we think that’s God. We think that’s God, telling us, “Feel guilty.” God is saying, “Get free and confess.” Understand that, look, everybody’s going through the same stuff, same issues, it’s just a bunch of repression. And I’m saying, life is too valuable man, for us to sit here in these boxes all repressed, afraid to admit what we’re really going through, you know what I’m saying? I’m tired of that.
Lauryn Hill from the CD Unplugged MTV 2.


É como se você se render, ninguém pode chantageá-lo com coisa alguma. Nunca esqueço quando eu comecei a compreender tudo isso, eu fui até os meus pais para confessar coisas como eu fiz no segundo grau. É sério, não sabíamos sobre tudo isso naquele tempo, éramos crianças, toda a repressão, tudo isso era só exploração, você sabe, eu falo dos rapazes saqueando meu sentimento no segundo grau, eu estou dizendo, e com vergonha, você sabe. Tal como qualquer outra garota nesta audiência que já tenha brincado de "correr e pegar beijo" ou qualquer um desses jogos tolos. Mas só para uma criança, crescer com toda essa culpa... nós pensamos que é Deus. Pensamos que é Deus, nos dizendo, " sintam-se culpados." Mas Deus está dizendo, "Confesse e seja livre." Entenda que, olha, todo mundo está indo para o mesmo lugar, mesmos problemas, é só um bando de repressão. E eu estou dizendo, a vida é demasiado valiosa para sentarmos aqui nestas caixas todas reprimidas, com medo de admitir o que realmente estamos passando, você sabe o que estou dizendo? Estou cansada disso tudo.

Diálogo do CD Unplugged MTV 2 - Lauryn Hill

16 de ago de 2009

Cada um com seu papel!!

"Se é que minha opinião importa, nunca é tarde demais...ou, no meu caso, cedo demais...para ser quem você quer ser...Não há limite de tempo. Comece quando quiser. Mude ou continue sendo a mesma pessoa. Não há regras para isso. Pode tirar o máximo proveito ou o mínimo. Espero que tire o máximo. Espero que veja coisas surpreendentes. Espero que sinta coisas que nunca sentiu antes. Espero que conheça pessoas com um ponto de vista diferente. Espero que tenha uma vida da qual se orgulhe. E se não se orgulhar dela...espero que encontre forças para...COMEÇAR TUDO DE NOVO!!"

"Algumas pessoas nasceram para ficar sentadas junto ao rio, algumas são atingidas por raios, algumas tem ouvidos para música, algumas são artistas, algumas nadam, algumas conhecem botões, algumas conhecem Shakespeare, algumas são mães, e algumas pessoas dançam..."

(diálogo do filme "O Curioso Caso de Benjamin Button")

When the good gets misunderstood


Tried so many times to make some sense of it
Tentei tantas vezes fazer sensito nisso
Unsure about the people in the mix
Insegura com a mistura do povo
My sacred intention
Minha sagrada intenção
My moment to mention
Meu momento de mencionar
Just what it is I was called here to do
Apenas o que eu fui chamada para fazer aqui
Love somebody, give somebody, teach somebody, touch somebody
Ame alguém, doe a alguém, ensine alguém, toque alguém
And when the good gets misunderstood
E quando o bom é mal entendido
The repercussions can be cruel
A repercusão pode ser cruel
And that ain't cool
E isso não é legal
Karma will avenge you
Karma irá vingar você
I've often seen the faces of despair
Eu tenho frequentemente visto rostos de desespero
And been in situations people don't care
E estado em situações que as pessoas não ligam
They take advantage of your every move
Eles tiram vantagem de cada movimento seu
That ain't cool cuz I'm no fool
E isso não é legal, eu não sou louca
They monopolize your time
Eles monopolizam o seu tempo
Try to redesign your mind
Tentam redesenhar sua mente
The very time they use to find
E todo tempo que eles usam para descobrir
You're in this love for sharing
Você está neste amor para compartilhar
To me the world is stingy with love
Para mim, o mundo é muito mesquinho
Everybody for self
Cada um por si
And when you finally find love then people hate you to death
E quando finalmente você encontra o amor,
então as pessoas te odeiam até a morte
A constant struggle between you and your mental muscles
Um perrengue constante entre você e os músculos de sua mente
Emotional paranoia with feeling nobody loves you
Paranóia emocional sentindo que ninguém te ama
No one to reach to
Ninguém para procurar
Gravity seen you
You the one in church that the preachers will preach to
Você é quem está na igreja para quem os padres rezarão
And you're prayer just for confession
E você está rezando apenas por confissão
More blessings
Mais bençãos
Try to get protection from manic depression and keep stepping
Tentando se proteger da maníaca depressão e continar andando
From mean impressions
De impressões significativas
The supper comes with dressing attached with life and karma and its own lessons
A ceia vem temperada, junto com a vida, o karmar e suas lições
And that's faith and love and peace and trust
E isso é fé, amor, paz e confiança
And never participate with the evil in us
E nunca participa do mal que há em nós
And life ain't fair when you feel wear and tear
E a vida não é justa quando você sente o desgaste
Remember God don't put more into you than you can bear
Lembre-se que Deus lhe dá apenas o que você pode suportar
And believe that to death
E acredita que a morte
A long journey don't start until the first step
Uma jornada que não começa até que você dê o primeiro passo
And that's life
É esta é a vida

Karma By Angie Stone

Woodstock

Peace, Music & Memories
Para meio milhão de espectadores, 32 dos mais conhecidos músicos do final dos anos 1960 e início dos 70 tocaram nos 3 dias, que de fato, marcaram o movimento hippie e a contracultura da época.
Woodstock foi um evento de qualidade musical excepcionalmente elevado, porém se destacou pela harmonia social da multidão, que além de música, buscava LIBERDADE, AMOR & PAZ.
Bethel, NY. 15, 16 e 17 de agosto de 1969.

Informe-se mais http://www.woodstockpreservation.org/index.html

Frase do dia...

...citada por nossa amiga e companheira de prática Claudinha, baseado no livro de Deepak Chopra: 

"incerteza é a terra fértil da faculdade criadora e da liberdade.", ou seja
 Incerteza = Possibilidades

Super conselho para quem está prestes a mudar de vida, em mais uma jornada...

14 de ago de 2009

Emoções ou Sentimentos??


Desde que voltei da última jornada, consegui experimentar e conviver com "coisas" que ainda estou tentando definir como emoções, sentimentos, desejos ou intuição. Enquanto isso vou me entregando a esse turbilhão...


Chega de tentar dissimular
E disfarçar e esconder
O que não dá mais pra ocultar
E eu não quero mais calar

Já que o brilho desse olhar
Foi traidor e entregou
O que você tentou conter
O que você não quis desabafar

Chega de temer,chorar
Sofrer,sorrir,se dar
E se perder e se achar

E tudo aquilo que é viver
Eu quero mais é me abrir
E que essa vida entre assim

Como se fosse o sol
Disvirginando a madrugada
Quero sentir a dor dessa manhã

Nascendo,rompendo,tomando
Rasgando meu corpo e, então, eu
Chorando,sorrindo,sofrendo, Adorando,gritando

Feito louca,alucinado e criança
Eu quero o meu amor se derramando
Não dá mais prá segurar
Explode coração!
(Daniel Gonzaga)

Teste da banheira


Não sou muito de repassar aqueles emails comunitários para ninguém, honestamente, sempre deleto sem ao menos ler. Mas tenho uma amiga a Zei, que sempre manda uns bons e acabo dando várias risadas... estou reproduzindo aqui a piadinha de hoje, com uma pequena lição sobre as coisas simples da vida.

As vezes a simplicidade está sob nosso nariz e não enxergamos...

Hospital psiquiátrico - O teste da banheira
Durante a visita a um hospital psiquiátrico, um dos visitantes perguntou ao diretor: - Qual é o critério pelo qual vocês decidem quem precisa ser hospitalizado aqui? Respondeu o diretor: - Nós enchemos uma banheira com água e oferecemos ao doente uma colher, um copo e um balde e pedimos que a esvazie. De acordo com a forma que ele decida realizar a missão, nós decidimos se o hospitalizamos ou não. - Entendi - disse o visitante : uma pessoa normal usaria o balde, que é maior que o copo e a colher...... - Não - respondeu o diretor - uma pessoa normal tiraria a tampa do ralo. O que o senhor prefere? Quarto particular ou enfermaria?
Dedicado a todos que escolheram o balde..

A vida tem muito mais opções... E muitas vezes são tão óbvias como o ralo, só falta enxergarmos.

13 de ago de 2009

Desejos...

Depois que falei sobre o silêncio, definitivamente silenciei e me libertei das turbulências mentais, da agonia do coração e do agito físico. Final de semana de Vedanta é sempre cheio de profundas histórias sobre nossa própria natureza, o que certamente me deixa muito introspectiva.
Mas enfim, quero falar sobre o desejo... de ser, ter, fazer, conquistar, abandonar... o desejo de se libertar.
Estava eu lá, escutando incansavelmente a Glória Arieira desmembrando a Keno Upanishad* quando ouço citar algo sobre o desejo, não deu outra, assim que tive a oportunidade me levantei e fui tirar algumas dúvidas sobre a questão.
Chegamos ao seguinte diálogo:
- Glória, eu reconhece meu forte desejo, e poderia até considerar uma obsessão se não fosse à consciência que tenho sobre o desapego do resultado da realização do mesmo. Sendo mais clara, tenho um desejo e não estou preocupada com o resultado que isso me trará no futuro, simplesmente quero realizar e pronto. O que devo fazer?
- Neste caso você tem que analisar se é dharmico ou adharmico, ou seja, adequado ou inadequado. Sendo adequado não há mal algum em realizar grandes desejos, muito pelo contrário.
Eu pensativa perguntei:
- E como faço para identificar um desejo adequado ou inadequado?
- Questione-se sobre o ‘movimento’ necessário para realização do mesmo, se você não está prejudicando ninguém, se você se sente pronta para encarar os riscos reais, então ele pode ser adequado.
- E se mesmo me questionando ainda me sinto insegura, tem uma segunda opção?
- Sim, procure alguém de fora da situação, alguém que não vai ganhar nada com a realização do seu desejo e conte a ela tudo. Se de fora, esta pessoa considerar adequado e com isso deixar você mais a vontade, então vá, realize... algumas pessoas nasceram para realizar grandes desejos mesmo.
Toda sorridente, sai da sala decidida, LIVRE de dúvidas, medos, inseguranças ou qualquer outra coisa que implique em confusão interna. DECISÃO TOMADA!!!!!

Quero aproveitar a postagem para agradecer toda a galera de Mariscal, aos idealizadores do evento e a equipe da pousada Vila Boa Vida http://www.mariscal.com.br/
* Para saber mais detalhes acesse http://www.vidyamandir.org.br/

12 de ago de 2009

Little Girl


Imagens de meninas de rua na Índia, antes e depois de serem ajudadas pela ONG 'Operation Shanti'. Música de nossa grande amiga Deborah Crooks. Saiba mais: http://operationshanti.blogspot.com/

A pictorial of street girls in India and how they've improved with the help of Operation Shanti. Music by Deborah Crooks.

11 de ago de 2009

Same same but different


"No! No different.

Only different in your mind.

You must unlearn what you have learned."

"Não! Diferente não. Diferente apenas na sua mente.

Você deve desaprender tudo que já aprendeu."

Mestre Yoda

10 de ago de 2009

Disciplina

Tiozinhos disciplinados, lendo seu jornal diário, com vista para o Rio Ganges, by Marza Tozo

Depois de passar o fim de semana inteiro fora de casa, fazer uma social do Dia dos Pais, eu ainda vou tomar umas cervejinhas na Lagoa, achando que vou conseguir acordar cedo no outro dia pra praticar yoga...ilusão do meu coração...aprender disciplina não é uma coisa muito fácil pra mim não...tudo bem, tenho a desculpa de estar cansada, afinal de contas conhecimento cansa e muito (o fim de semana foi de Vedanta*)...novidade!! o despertador tocou, mas não meu coração, continuei dormindo e não fui praticar...isso sempre acaba acontecendo comigo, por que será?? Nunca consigo passar o creme do rosto todo dia, sempre esqueço de tomar uma pílula, só consigo correr uma vez por semana, tenho vários livros lidos pela metade, e faço sempre as tarefas escolares no último dia previsto, aih aih...

Decido abrir uma página do livro O Valor dos Valores **, que li algum tempo atrás, mas comprei agora para ter na cabeceira da cama...bom, a página foi um desses tapinhas na cara:

"Sthairyam
Um esforço firme, da parte de alguém, em relação a qualquer objetivo ao qual ele tenha se comprometido a realizar ou em relação a quaisquer deveres que a própria responsabilidade impõe é sthairyam.
Quando é necessário fazer esforços em direção a um objetivo, a maioria de nós se descobre heróis no princípio. Nós começamos qualquer empreendimento com muita bravura. Somos leões de decisão a princípio, mas depois o entusiasmo declina. A energia do 'heróico iniciador' diminui quando o esforço total necessário torna-se claro. Então, encontra-se algum pretexto para se deixar de completar o trabalho. Falta de firmeza em relação a um compromisso resulta em objetivos não alcançados, produzindo um acúmulo de culpa pelo fracasso em completar o que havia sido começado. Sthairyam significa que deveria existir um esforço firme em direção a qualquer coisa que você tenha se comprometido a realizar até que seja realizada, uma constância que não se entrega à preguiça nem é perturbada pela distração."

Mais uma segunda-feira se inicia...não fui praticar logo cedo, mas não vou deixar a semana toda virar indisciplinada...e vou tentar (mais uma vez) passar os cremes todos os dias, organizar o dia a dia para viver 1000 vezes mais e disciplinar minha indisciplina, sem preguiças, deculpas e culpas...

* Sobre Vedanta: 
http://www.vidyamandir.org.br/vedanta1.htm

** Livro: O Valor dos Valores, de Swami Dayananda Saraswati 
http://www.vidyamandir.org.br/valores.htm

7 de ago de 2009

Broken heart

Com o coração partido vou andar por aí mais distraída do que nunca... vou procurar viver esse ou outro amor 1000 vezes mais... sentindo alívio e aperto no peito, enquanto simplesmente vivo!!

Segue por aí que o amor é uma coisa boa.
Segue pelas ruas que é feliz apenas quem o encontrou.
Sabes que sei que talvez sabíamos dessa verdade, porém todavia
a sabedoria pode ser apenas conto da carrochinha
quando algo deveras elucidante chega e detona a realidade suposta.

Desça do céu, sabes como é?
Entregue apenas àqueles que sabem porque
queriam saber e decentemente buscaram
entender a profundidade do ser vivente.
Bípede, esguio e arrogante
auto intitulado ser regente do
terceiro planeta de um minúsculo sistema
de uma galáxia qualquer na beira do universo.

Perplexa imensidão mesquinha
que em escala de formigas
não passa de uma ida a esquina do formigueiro
e voltar logo após carregando meia dúzia
de folhinhas e gravetos.
Coisa de um domingão sem inspiração!

Enquanto a empáfia segue ao toque de caixa,
o vento sopra e o fogo queima,
a cigarra canta, avoa e troca de casca
em algum tronco e deixa assim
um mundo intenso de sonhos
para a criança que encontrá-la.
Tenha dó! Não sabe observar?
O amor é o resumo da ópera
ensaiada, cantada e encenada
pela multidão inerte, fotossintética, exoesquelética,
quadrupede e qualquer adjetivalóide
que apontamos com o indicador
como reles irracionais.

Amar é estar distraído para sentir e viver!
Fernando Pessoa o disse e o diga.

De autoria de Ciro Castro, super amigo e blogueiro, vale passar lá e conferir mais:
http://keepom.blogspot.com/

Full Moon

Sempre percebi que a lua cheia movimentava algo dentro de mim… mesmo antes de me considerar uma aprendiz de Yoguí. Lembro até hoje da lua mais incrível que já vi. Voltávamos de uma balada no Costão do Santinho chamada Ilha do Cascaes, lá pelas 06h da matina... dia claro, carro lotado de “mulherada mutcho loca” quando ao atravessar a beira-mar olho para o lado e lá estava ela imponente, gigante ‘a lua cheia’. Nem lembro quanto tempo faz isso, talvez uns 12 anos atrás. Entretanto, ainda lembro a sensação que me provocou ao vê-la.
Nesta semana, presenciei outra surpreendente manifestação da mesma, porém agora, também com o brilho do sol. Vou colocar como cabeçalho os momentos que cliquei o espetáculo.
1
Quarta-feira, dia 5 de agosto ás 18:20 a lua cheia dava o ar da sua graça espelhando a Lagoa.
1
Ainda na quarta-feira, chegando no Centro do Ser por volta das 19h, o brilho da lua iluminava o céu... desnecessário postes de luz, pena que ninguém apareceu para desligá-los.

Quinta-feira ás 06:40 quando de um lado ela se preparava para esconder-se atrás da montanha; de outro, o sol menciona aparecer, colorindo o céu com indescritíveis cores...
1
E eis aqui mais um lindo dia de sol, com a poderosa energia da lua!

6 de ago de 2009

People Gotta Be Free


All the world over, so easy to see
Por todo o mundo, é tão fácil de ver
People everywhere just wanna be free
As pessoas em todos os lugares apenas querem ser livres
Listen, people listen, that's the way it should be
Ouçam, pessoas ouçam, essa é a maneira que deve ser
Deep in the valley, people got to be free
Profundamente, as pessoas devem ser livres
You should see, what a lovely, lovely world this could be
Você deve ver, que adorável, adorável poderia ser este mundo
If everyone learned to live together
Se todas as pessoas aprendessem a viver juntas
It seems to me such an easy, easy thing this should be
Me parece muito fácil, isso deveria ser muito fácil
Why can't you and me learn to love one another
Por que você e eu não aprendemos como amar uns aos outros
All the world over, so easy to see
Por todo o mundo, tão fácil de ver
People everywhere just wanna be free
As pessoas em todos os lugares apenas querem ser livres
I can't understand it, so simple to me
Não consigo entender isso, é tão simples para mim
People everywhere just got to be free
Pessoas em todos os lugares devem ser livres
Ah, ah, yeah . . . ah, ah, yeah

If there's a man who is down and needs a helping hand
Se tem um homem no chão precisando de ajuda
All it takes is you to understand and to see him through
Tudo que você tem que fazer é olhar e entender
Seems to me, we got to solve it individually
Me parece que, temos que resolver isso individualmente
And I'll do unto you what you do to me
E eu vou fazer o que você faz por mim
There'll be shoutin' from the mountains on out to sea
Será um grito das montanhas saindo para o mar
No two ways about it, people have to be free
Não existe duas saídas, as pessoas têm que ser livres
Ask me my opinion, my opinion will be
Pergunte-me minha opinião, minha opinião será
It's a natural situation for a man to be free
É a natureza do homem ser livre
Oh, what a feelin's just come over me
Oh, que sentimento que vem até mim
Enough to move a mountain, make a blind man see
O bastante para mover uma montanha, fazer um cego ver
Everybody's singin', now let's go see
Todos cantando, agora vamos ver
Peace in the valley, now they want to be free
Paz, agora eles querem se libertar
By Keb Mo

Experimentando


"Meu lema é continuar sempre em movimento,

sem parar de experimentar a vida."

"My motto is to be always in motion,
experiencing life with no stopping. "

Bibi Ferreira, atriz, cantora, diretora e compositora brasileira.
Atualmente com 87 anos ainda é sucesso em tudo que faz... está vivendo 1000 vezes mais!!

Beleza de mulher!

Mulher bonita é mulher livre.

Aquela que está viva, desperta,

que não só aceita suas próprias imperfeições,

mas vê beleza nelas.

Que descobre o próprio caminho e segue nele.

Beautiful woman is a Free woman.

One that is alive, awakening,

not only accept their own imperfections,

but see beauty in them.

Discovers Her own path and follow it.

Os opostos se atraem...

Ponte (bridge) Hercílio Luz, Florianópolis - Brazil
1
DESEJO & AVERSÃO
1
Golden Gate Bridge (ponte), San Francisco - California

CRAVING & AVERSION

5 de ago de 2009

O que seria dos acertos se não fossem os erros....


Definitivamente, declaro esse dia que passou o dia do tombo!!! 
Desde que comecei a praticar yoga, pratico backbend, e ainda após dois anos não consigo fazê-lo sozinha (ainda). Preciso sempre das mãos do professor para me dar direção e confiança para dobrar para trás e voltar para cima. Mas isso não é nenhum problema para mim, pois adoro essa postura desde o primeiro dia. Chego até a ficar "doidona" algumas vezes, com efeito tipo lança perfume. Nem sempre é fácil olhar o mundo por outra perspectiva. Não sei se era intenção dos indianos (brincadeira, é claro que sim), mas o negócio me faz rir muito, de verdade, como um famoso "bode riso"!!
Olhar o mundo de uma perspectiva totalmente diferente e abrir o peito dessa forma realmente nos faz bem...recomendo!!
Mas então, na última aula minha teacher e eu nos empolgamos e mergulhei no chão, de cabeça...literalmente...esqueci de me apoiar nos meus braços e até as pessoas da sala de baixo devem ter sentido a pressão...só ouvi um "tadinha"...mas não consegui ter outra reação além de rir, como um bode riso...
Durante a aula, minha vizinha de tapetinho, Bel, repete mais de uma vez para ela mesma...hoje é o dia do tombo...ela não conseguia se equilibrar...
Após a aula, vamos tomar um café, eu e Kaka, aluna cabeça dura e professora durona...e lá vai Kaka tirar a cara do sol e mudar de lugar na mesa, mas ops, ela deixa uma das pernas da cadeira no degrau da escada...e mais um tombo acontece...em camera lenta...3 degraus abaixo, primeiro ela e depois a cadeira...e eu não consegui ajudar, como aquele dia do patins, o riso me deixou sem reação....

Mas esses tombos chegam em uma época em que medos de "tombos" afligem minha cabeça...afinal nem sempre é fácil largar amores, casa, comida e roupa lavada, segurança, padrões e certezas...mas não consigo fazer outra coisa a não ser "Fly One (more) Time...

Inevitability
Is pounding at my door.
Screaming for more.

In the world that owes you nothing
You give everything.
Everything.

And now I'm caught in between
But I can't leave behind
The world I may never find.
So fly one time.
Fly one time.

Standing at the edge of your life.
At the edge of our lives.
Don't hold on
There's no fighting back the years
So hard to unlearn fears.

Now you're caught between
What you can't leave behind.
And all that you may never find.
So fly, just fly
Just fly one time.

I've seen you so clearly, so clearly up so high.
I see you up so clearly, up so clearly, up so high.

And now your caught in between
What you can't leave behind.
And what you may, what we may never find.
So fly, so fly one time.

So clearly so clearly so high.
If i would die,
Just fly one time.
If you fly one time.
(Ben Harper)

http://www.youtube.com/watch?v=Bt2ftbMjK6M

Calar a boca e a mente

There is a lot of noise in the silence
Il y a trop de bruit dans Le silence
Existe muito barulho no silêncio
Quase dois meses se passaram desde que cheguei no Brasil... todo aquele turbilhão mental por tanto tempo – Cruz Credo!! Mais calma, porém não curada, ainda me pergunto por que tenho que querer ser diferente de tudo o tempo todo... Ah, poderia ter casado, estar em casa cuidando dos filhos, trabalho fixo com aquele dinheirinho no final do mês, mas não – a pessoa quer desbravar o mundo – rodar de um lado para o outro, conhecer pessoas e diferentes lugares.

Pois que vá... em silêncio!

Bom, na verdade estou aqui para escrever sobre a palavra SILÊNCIO... todas essas semanas de ruídos mentais, barulheira generalizada e de baixa qualidade. Lembrei de quando estava na Índia e encarei o Vipassana – 10 dias sem soletrar uma palavra. Morria de medo do silêncio, mas quando estava lá... hmmm foi tão bom!!! Tanto aquele silêncio superficial, de ruídos externos; quanto aquele silêncio profundo, mental. Esse último, muito mais que bom, é lindo e indescritível.
Enfim... essa semana me dei conta que preciso de silêncio... ficar quietinha lá dentro. Em algumas postagens anteriores falamos sobre o filme “La Belle Verte”; olha que interessante, os habitantes daquele planeta, muito mais evoluído que a terra fazem concertos de SILÊNCIO... e de repente todos morrem de rir – essa é uma cena muito especial e bem feita – sentimos o silêncio na tela e de repente vem as gargalhadas.
Impulsivamente, como sempre, no meio da barulheira toda tomei algumas decisões... porém fiz um trato comigo mesma – só tomaria providências sobre as decisões a partir de semana que vem quando achei que provavelmente já fosse estar mais silenciosa... ai é agora??

Acho que preciso de outro Vipassana... em silêncio!

Estou mesmo mais silenciosa, mais presente na minha realidade, cheia de medos e confusões, mas o silêncio ajuda aliviar a tensão... neste final de semana, estaremos em Mariscal, final de semana de Vedanta com a Glória Arieira e as práticas de Yoga com o Figue; música e amigos; de certeza vai dar para silenciar ainda mais e a partir de semana que vem abro um novo ciclo.

Portanto, novas histórias, idéias e viagens devem aparecer por aqui... em silêncio!!


As postagens sobre os relatos meu e da Marza no Vipassana estão no arquivo do mês de outubro de 2008. Vale a pena olhar e dar umas risadas :)

4 de ago de 2009

Fugindo??

Como você reage diante dos seus próprios *erros?
*Não acredito realmente que existam erros, acho que são apenas escolhas e suas conseqüências.
Mas enfim, percebo muitas pessoas que se massacram diante de algumas decisões que julgam mal feitas ou, que seja, ERRADAS... só gostaria de lembrar aqui, neste blog, que somos todos seres humanos e que erros e enganos acontecem normalmente, afinal estamos todos aqui para aprender, não é??

It's all right to make mistakes
(está tudo bem em cometer erros)
you're only human
(você é apenas humano)
Inside everybody's hiding something
(lá no fundo todos estamos escondendo alguma coisa)
Take time to catch your breath and choose your moment
(recupere sua respiração e escolha seu momento)
Don't slide (não fuja)
You brought this on yourself
(você trouxe isso para si mesmo)
and it's high time you left it there
(e deixou muito tempo lá)
Lie here and rest your head
(deite aqui e descanse sua cabeça)
and dream of something else instead
(sonhe com algo diferente)
Don't slide (Não fuja)
DIDO, Slide.

2 de ago de 2009

'cult' little locas

Meu primeiro trabalho fotográfico do College
Contemplando
Comemorando o 'reencontro'
Fazendo pose
Ich... muitcho 'loca'
Sábado a noite, aquele esquenta básico pré Rock'n roll aqui em casa... fui procurar um cd e encontro essas fotos. São fotos minhas batidas por Marza Tozo no ano de 2002, adivinha aonde?? Golden Gate Park in SAN FRANCISCO.
Por vários motivos essas fotos merecem uma postagem só delas... primeiro por ter sido um dos primeiros trabalhos de fotografia que a Marza fez no College. Segundo motivo é um novo projeto que temos em parceiria com uma amiga e brilhante artista de San Francisco, que de certa forma tem algo relacionado a uma daquelas imagens. Um outro motivo muito relevante é o fato de anos mais tarde agente ter a oportunidade de expor aqui, neste blog, muito do que vivemos ao longo de todos esses anos, mostrando que amizades, pequenas/grandes idéias e arte não tem preço.
São definitivamente as melhores lembranças das nossas vidas...